Untitled Document
ACONTECE NA ABRAFEC

Workshop CENOGRAFIA COMEÇO MEIO E FIM

Derivada da junção entre arquitetura, decoração e teatro, a cenografia busca a integração de elementos como iluminação, sonorização, decoração, paisagismo e vestuário para criar ambientes e provocar sensações.

Para mostrar a importância da profissionalização dessa área, o Senac Aclimação, em parceria com a Associação Brasileira de Fornecedores de Cenografia – Abrafec, promove, em 27 de novembro, o workshop Cenografia Começo, Meio e Fim.

A ação terá ênfase em eventos corporativos, gerando uma oportunidade para conhecer, aprimorar e priorizar cada etapa do trabalho do fornecedor de cenografia.

Conheça o curso de pós-graduação em Administração e Organização de Eventos com inscrições abertas no Senac Aclimação.

Público-alvo: Estudantes e profissionais das áreas de organização de eventos.

 

Helio Aisen - sócio da Casa Caucaia (Associado Abrafec). Engenheiro, possui MBA pelo Insper e especializações em gestão, processos, planejamento e varejo. 

Leila Malvezzi Bueno – é arquiteta e sócia-diretora Comercial na empresa Bueno Arquitetura. Especialista em marketing de varejo e pós-graduada em Design de Interiores, com mais de 20 anos de atuação em comunicação visual e cenografia para eventos corporativos, e atual presidente da Abrafec (Associação Brasileira de fornecedores de Cenografia).

Mariana Thomé – diretora de Negócios e Operações na Oficina Cenográfica, é economista formada pela PUC-SP, com mais de 10 anos de experiência nas áreas de estratégia e planejamento, tendo passado por instituições como Federação das Indústrias de São Paulo e Pfizer Laboratórios. 

Sulla Costa - Publicitária, sócia e diretora de atendimento da Empresa Núcleo Produções - Arquitetura De Eventos. Possui mais de 18 anos de experiência no mercado de eventos, onde especializou-se há 13 anos na área de cenografia corporativa, buscando a satisfação e encantamento de seus clientes, através da excelência e entrega de projetos.

 




Cenografia-Palavra Presidente ABRAFEC

Conceber cenografia para eventos corporativos nos últimos anos tornou-se um grande desafio de interpretações.

Temos debatido frequentemente na ABRAFEC (Associação Brasileira de Fornecedores de Cenografia), o quanto a palavra Cenografia ainda representa a nossa atividade.

 O crescente surgimento de empresas com essa denominação traz à luz o debate, não somente sobre o real significado da atividade, como também o entendimento do mercado por essa atividade frente à suas necessidades.

 Resgatando nossas origens, defendo que somos um desmembramento e uma junção simultânea, tanto do Teatro quanto da arquitetura.

 Na arquitetura pelas bases plásticas, funcionais, técnicas utilizando-se dos recursos sensoriais e tridimensionais, respeitando a linguagem do corpo humano na existência dos volumes destinados ao seu uso, evidenciando seus sentidos. 

 

No teatro, pela inteligência de uma construção lúdica de um mundo real (às vezes nem tanto), rica em ornamentos, totalmente desprendida da autenticidade da matéria prima e mesmo que na mais pura forma, seja concebida para a contemplação, conduz a momentos memoráveis e experimentais.

 Esse arranjo transportado aos eventos corporativos podem ter efeitos inimagináveis quando bem aplicados e dimensionados, pois tem como missão, transformar ambientes e, apesar de ser efêmera, é dela grande parte da responsabilidade em gerar retenção, transformação e tornar o evento inesquecível na cabeça de quem a vivência.

 E ainda que os eventos corporativos tenham sofrido como tantos outros mercados com o esmagamento de verbas, é inconcebível assistir a esta planificação da cenografia. 

 Essa vertente que tem utilizado de recursos totalmente bidimensionais, explorando composições apenas aos limites do olhar, abdicando dos outros sentidos do ser humano como as imagens digitalmente reproduzidas, seja por projeção ou impressão, apesar da beleza e funcionalidade não podem ser denominadas Cenografia. 

 O verdadeiro sentido da Cenografia é transportar, elevar ao grau máximo do deslumbramento, tirar do lugar comum, provocar vivências, propiciar experiências, surpreender, fazer chorar, fazer rir!  

 

Isso sim é cenografia e faz todo sentido a quem a vivencia. 


ASSOCIADOS

Associados Fornecedores
Untitled Document
Todos os Direitos Reservados